segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Avivamento

  http://2.bp.blogspot.com/_ZIZ-fyDMGD8/SXjsF6yQIEI/AAAAAAAAApM/AvhebgxjaWM/s400/avivamento.jpg
 
  Eu vi. Ainda não sei bem o que foi, se sonho ou realidade, se alucinação ou se apenas uma criação fantasiosa da minha mente, mas juro que vi.
(Para continuar lendo click no Titulo) 
Vi o dia em que a cruz voltou a ser a mensagem central da igreja de Cristo e a paz reinou entre os cristãos de todo o mundo. Não era um instante ecumênico, tampouco uma reunião com fins políticos, mas vi a igreja de Cristo unida cantando de maneira uníssona à pessoa bendita de Jesus. As diferenças doutrinárias estavam vencidas em favor da vida, o culto voltou a ser culto, a igreja voltou a “cair na graça do povo”.



Vi o amor reinar. A igreja não condenava mais o homem pensando ser esse o meio eficaz de expurgar o pecado, mas com muita consciência do Espírito Santo amava-o com intensidade, sem dar de ombros ao pecado. O discurso frio e condenatório havia sido abandonado e a mensagem da graça e do perdão predominava na igreja que seguia triunfante em Cristo.

Vi a justiça sendo proclamada pela terra por uma igreja forte, consistente e desinibida. Consciente da desnecessidade de perder-se preocupada com as necessidades temporárias, a igreja sangrava pelo que era eterno, justo e reto. Uma igreja ativista, defensora do mais fraco e frágil, alimentadora do pobre e faminto. Despreocupada com os templos e com as multidões a igreja caminhava – sem se iludir com as marchas – no caminho da graça, anunciando a graça do caminho e a predileção divina por todos os homens.

Vi a teologia sendo feita a fim de contribuir com o homem no seu processo de conhecimento do altíssimo, de si mesmo e do próximo. Sim, uma ciência que outrora serviu para manipular a verdade fazendo de muitos “predestinados” ao fogo eterno em nome de uma eleição incondicional, naquele instante passara a ser o instrumento usado pela igreja, para que os homens se ajustassem a Deus, conscientes de Seu caráter santo.

Na verdade não estava dormindo, tampouco pensando, minha atividade naquele momento era a oração; clamava a Deus que avivasse a sua igreja e tão logo Ele me respondeu, revelando-me o que realmente é avivamento – eu, um simples menino, que por muito tempo confundi histeria com o agir de Deus.

Ainda boquiaberto,

Will
 
Fonte:Celebrai

Nenhum comentário:

Postar um comentário